Blog da Campanha do Zequinha Marinho

Um Homem de Luta e de Fé

sexta-feira, agosto 11, 2006

Capital externo para projetos no Pará

Foto: Val-André Mutran














A esquerda o embaixador de negócios do Japão recebe do deputado Zequinha Marinho a proposta de parceria com aquele país


O candidato Zequinha Marinho (PSC/PA) tem buscado a captação de recursos internacionais através da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), que integra a estrutura do Ministério das Relações Exteriores (MRE), para a aplicação em projetos de inclusão tecnológica social no Pará em conjunto com o Bloco dos países Mais Ricos do Mundo (G-7).

Acompanhado do coordenador técnico da Agência Madalla, Tácio Handel e assessores foram recebidos pelo ministro de Negócios da Embaixada do Japão no Brasil, Shigeru Otake, que assistiu à apresentação e resultados já alcançados em 12 estados brasileiros do projeto Mandalla de agricultura sustentável que surgiu há cerca de três anos na Paraíba, no assentamento Acauã, interior do Estado, município de Aparecida.

Idealizado pelo agrônomo Willy Pessoa, o Mandalla já beneficiou 13 mil famílias em todo o país. O projeto consta de uma reestruturação na forma de plantar dos agricultores, através de um ordenamento da cadeia alimentar, utilizando as plantações e os animais de uma fazenda de pequenas proporções (10 ha), com os objetivos principais de romper paradigmas, gerar melhorias sociais e resgatar a dignidade humana.

Marinho explicou ao embaixador japonês que o sudeste do Pará é recordista mundial em números de Projetos de Assentamento, mantém baixos índices de produtividade o que resulta em grande dificuldade de sustentabilidade por parte das milhares de famílias assentadas.No Projeto Mandalla os agricultores são orientados a melhor aproveitar suas terras de modo que dela possam retirar sua subsistência e seu sustento, utilizando tecnologias sociais de baixo custo.

Do projeto e seu surgimentoA idéia do projeto Mandalla partiu do estudo, por Willy Pessoa, da melhor forma de se plantar em pouco espaço para que se tenha uma alimentação básica, tendo em vista que esta é uma necessidade do ser humano. Ele afirmou ter ido buscar referência, para sua idealização, em 1938, na época de Getúlio Vargas, na cesta básica: "uma pessoa precisa de duas ou três mil calorias por dia e os treze itens da cesta aqui, no Estado da Paraíba, custam R$ 148,00. Como cada uma pessoa gasta este valor, imaginem cinco vivendo exclusivamente de uma aposentadoria, como acontece em muitos municípios brasileiros? A partir disso, nós imaginamos que precisávamos fazer com que os municípios passassem a produzir, reestruturando a economia local, e só se faz isto a partir da agricultura do lar: trabalhando-se a mãe e os filhos", afirmou.

Parcerias - Shigeru Otake propôs ao deputado que encaminhe os projetos de até U$ 100 mil para análise direta do escritório da embaixada e aqueles com valores superiores a este teto para análise via Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o Consulado Japonês no Pará para a propostas de parceria.

No escritório da ABC no Itamaraty, o diretor do organismo, embaixador Lauro Barbosa da Silva Moreira, garantiu ao deputado empenho para que os programas de cooperação bilateral que o Brasil é signatário sejam acessados de maneira a viabilizar os projetos que ainda deverão passar pela análise do Incra e do Ministério da Reforma Agrária para obterem aprovação, já que o benefício será, inicialmente, em áreas de Projetos de Assentamento e nos lotes de Projetos de Desenvolvimento Sustentáveis em fase de criação no Estado.